Recursos para pastores

5 Ds que todo pastor deve evitar no ministério

Preste atenção nos sinais...

5 Ds que todo pastor deve evitar

Ser pastor(a) de uma igreja, já escrevemos em outros artigos, não é uma tarefa fácil contradizendo o senso comum de que o pastorado é mamão com açúcar, então leia e reflita sobre os 5 Ds que todo pastor deve evitar no ministério!

Barry Posner e James Kouzes afirma que o contexto da liderança mudou, mas, o conteúdo da liderança não mudou muito. Nessa breve reflexão, o meu objetivo é desafiar os pastores, não interessando o quanto tempo a pessoa está pastoreando, a refletir sobre seus ministérios e como reciclarem seus pastorados para melhor proclamar as verdades de Deus. A seguir, apresento os cinco “Ds” que precisamos evitar:

1. Despreparados

Posner e Kouzes dizem: “Os comportamentos, a atitudes e as práticas fundamentais dos líderes tem continuado essencialmente os mesmos desde que começamos a pesquisar e escrever sobre liderança, mais de três décadas atrás. Muita coisa mudou, mas muito há mais coisas que continuaram iguais”.

Se isso é verdade no mundo empresarial, é muito mais verdade no mundo eclesiástico. Pastores são resistentes por natureza. Como lidam com o absoluto – a verdade de Deus – caem na tentação de que não precisam mais estudar além daquilo que foi aprendido nos seminários. Não atentam que o contexto da liderança mudou. Nada neste mundo de hoje é igual ao mundo de cinco, dez anos atrás.

Eu costumo dizer que a educação teológica que recebi de minha escola, se comparada com a de hoje, aquela é semelhante a uma escola dominical. Basta mencionar apena a área de recursos. Qualquer visita a uma livraria evangélica você encontraria algumas fitas cassetes, umas Bíblias, o Novo Dicionário e o Novo Comentário da Bíblia e alguns outros livros. O material disponível hoje é ilimitado.

O pastor tem acesso aos portais da internet para notícias em tempo real, tem acessos aos livros eletrônicos do Google, dicionários de todos os tipos, comentários e enciclopédias. Agora eu pergunto: o pastor faz uso dessas ferramentas? Infelizmente a resposta é que nem todos apreciam ou desenvolvem o gosto pela pesquisa.

Assim, despreparados para a realidade do mundo atual, pregam e ministram como se estivessem em 1980. Oferecem as mesmas respostas que ofereciam em 1985. Esse despreparo resultará em graves problemas.

2. Desanimados

Diz-se da pessoa que perdeu o ânimo ou a coragem (em Inglês – discouraged). A pessoa não tem alento. O desânimo pode ser em consequência do despreparo. A pessoa não sabe mais lidar com os dilemas e demandas da vida moderna.

A igreja não é mais a mesma. Os novos convertidos não possuem o mesmo apreço e respeito pelas coisas que os antigos possuíam. As demandas da vida moderna exigem que as crianças aprendam de tudo desde a tenra infância. Por isso, a mãe está sempre ocupada. O pai trabalha longas horas. Isso quando não estão fazendo cursos de especialização, mestrado e doutorado. Os finais de semana não são para a igreja, mas quando muito para a família e amigos. O dinheiro é todo usado para bancar o estilo de vida da família.

O pastor fica esgotado, sem energias. Ele prega, ensina, orienta e aconselha. Visita os crentes, discipula uns poucos convertidos, mas parece que nada dá certo. A igreja não responde, não cresce. As criticas avolumam e o pastor leva para o lado pessoal.

Começa a se entregar ao desespero.

3. Desesperados

Desespero é a falta de esperança. Não existe perspectiva do e de futuro.

Nesse momento o pastor começa a pensar em alternativas. Mudar de igreja, mudar de cidade e alguns já partem diretamente para deixar o ministério. Chega à conclusão que não foi chamado para aquilo. Li o relato de um pastor que assim desabafava:

Chega! Isso não é para mim. Já não consigo lidar mais com as pressões do ministério. Não consigo pensar em fazer outro sermão, dirigir outra reunião. Eu quero pular fora disso. Quero deixar o ministério, mudar de cidade, abandonar minha esposa. Estou cansado de viver com essa mascara como seu eu fosse perfeito e nada de errado acontece comigo ou minha família. Estou a ponto de explodir.

Quantos pastores e pastores chegam a esse ponto de desespero? Muitos sofrem isoladamente. Outros poucos vão buscar de ajuda. Alguns tocam da maneira que podem e outros desistem completamente.

4. Deprimidos

O despreparo pode levar ao desânimo, que leva ao desespero e então, é possível que o pastor venha a experimentar a depressão. Assim, lemos o que é depressão:

O transtorno depressivo major é uma doença psiquiátrica crônica, extremamente comum, caracterizada por uma alteração do humor do paciente, que deixa-o triste além do normal, desanimado, sem energia, com baixa autoestima e com dificuldade de lidar com sua vida pessoal e profissional (mdsaude.com).

Quando o pastor se encontra nesse estado ele precisa MESMO de ajuda. A família deve estar atenta, os líderes da igreja devem perceber que algo não está bem e recomendar a busca de auxílio médico. A depressão não é coisa a ser tratada apenas no campo da espiritualidade.

5. Desempregados

Infelizmente, quando o pastor já não consegue mais realizar o seu ministério a contento, uma e quem a única alternativa que a igreja utiliza é a substituição. O pastor é despedido e outro é contratado em seu lugar.

Poucas igrejas se interessam na reconstrução do pastor. Não tem tempo para isso e muitas vezes não tem dinheiro para o tratamento. O pastor que já estava doente além de continuar doente ficará agora sem emprego, sem dinheiro para sustentar sua família.

As nossas igrejas poderiam ser mais cristãs nesse aspecto. Será que isso é pedir muito?

Conclusão:

Estimado pastor(a) fique atento aos sinais que o seu corpo está dando. Fique atento aos sinais que a igreja está dando sobre o seu ministério. Não menospreze as criticas como sendo insignificantes, que não afetam você. Menosprezar esses sinais será fatal.

Comece hoje mesmo a qualificar o seu ministério. Veja algum curso grátis para fazer na Internet. Tire férias, descanse na segunda-feira, jogue bola com os amigos, vá passear com seus filhos e esposa.
Se cuide!

Antonio Carlos Barro
Visite o site de sermões

Comentários