Recursos para pastores

7 sinais para entender quando nossa pregação não vai bem

Sua igreja precisa de um novo pregador?

7 sinais para entender se nossa pregação não vai bem

Pregar, todos nós sabemos, é uma arte, todavia, não é uma arte feita ao bel prazer da arte pela arte. É uma arte que exige, acima de todas as coisas, muita dedicação e transpiração. Nesse artigo trato dos 7 sinais para entender quando nossa pregação não vai bem. Talvez você se surpreenda com o título. Todavia, esse título que estou dando não chega nem perto do artigo original de onde estou extraindo essas ideias. O título dado é: 7 sinais de que a sua igreja está precisando de um novo pastor. Ao final do artigo menciono os créditos.

Vamos ler os 7 sinais para entenderquando nossa pregação não vai bem e depois eu faço alguns comentários ao final dos mesmos.

Sinais

1. O pastor prega sua própria experiência e não a palavra de Deus (2 Timóteo 4.3).

2. O pastor prega piadas/anedotas (uma pequena narrativa de um incidente em particular, especialmente com o propósito de entreter o povo, ao invés de pregar a Palavra de Deus (2 Timóteo 2.15).

3. O pastor lê o texto algo diferente daquilo que os leitores originais leram (eisegesis versus exegesis). (1 Timóteo 6.3-4).

4. O pastor passa por cima (esquece?) as regras de interpretação da Bíblia: 1. Contexto, contexto, contexto; 2. Distinguir corretamente entre Lei e Graça; 3. Deixar a Bíblia interprete a própria Bíblia; 4) Abordagem cristocêntrica (Hebreus 4.12).

5. O pastor usa o texto para provar suas próprias ideias (2 Pedro 2.1). Este é o “método pela qual a pessoa apela ao texto bíblico para provar ou justificar a sua posição teológica [pastoral] sem nenhuma consideração ao contexto da passagem citada”.

6. O pastor diz que tal pessoa é “do diabo” quando sua teologia (e/ou estilo de vida) é questionada por aquela pessoa (Atos 17.11).

7. O pastor diz que Deus lhe disse isso ou aquilo e não o que a Bíblia diz. Informação e conteúdo fora da revelação da Palavra de Deus.

Conclusão

Quase todas as pessoas acham que pregar é abrir a Bíblia e começar a falar coisas sobre o que leu (ou não leu). Por isso, tem tantos pregadores que desprezam as leis da hermenêutica e da homilética. A pessoa pensa que pregar a Bíblia é fazer comentários soltos sobre ela. Isso a pessoa pode até fazer numa reunião de células ou algo assim. Todavia, subir ao púlpito para entregar um alimento sólido para o rebanho, é uma atividade que exige preparo.

Imagine você ir ao restaurante e pede um risoto de camarão.

O garçom lhe entrega: 400 g de camarão cinza limpo, 3 xícaras (chá) de arroz branco, 1 cubo de caldo de camarão, 1/2 xícara (chá) de pimentão verde cortado em cubos pequenos, 1 tomate sem semente cortado em cubos pequenos, cheiro-verde picado, 2 colheres de extrato de tomate, 2 dentes de alho, 1 colher (sopa) de azeite, sal e 1/2 limão.

Você pergunta: O que é isso? Ele diz: O risoto que pediu. Em tese, nestes ingredientes está o risoto, mas é um risoto que não pode ser saboreado. Você entende a diferença entre um pastor que prepara o sermão e um língua solta religioso?

Fica então o desafio.

Abraços

Antonio Carlos Barro
www.sermão.com.br

Ps. A ideia dos 7 sinais para entender quando nossa pregação não vai bem vem do site A Heart for God’s Ministry (Pastor Mike). A conclusão é minha, caso você esteja com raiva de ter lido esse artigo.

Comentários