Recursos para pastores

E de mim? Quem cuida? Quem pastoreia o(a) pastor(a)?

Iniciei no ministério quando ainda tinha 20 anos (hoje tenho 51, portanto, já faz mais de 30!) trabalhando como pastor. Durante esse tempo trabalhei como professor de Bíblia e Teologia. Trabalhei quer seja plantando igrejas, revitalizando outras, pastoreando outras, ministrando aulas em um seminário, um curso de missões ou numa faculdade ou ainda trabalhando como missionário transcultural, sempre, em todo instante senti as pressões e preocupações que vem com o ministério junto à pessoas que fazem parte do corpo de Cristo.

Quantas vezes me senti acuado, mesmo sem condições, mas sabendo que deveria estar ali para que os outros pudessem se fortalecer.

Houve muitos momentos de tristeza, de doença, momentos em que eu estava completamente arrasado, outros que eu não queria ver ninguém de nenhuma igreja. Havia momentos em que eu não queria fazer nada. Outros momentos ainda eu não suportava críticas e me sentia abandonado e dolorido.

Enfim, posso comprovar, por causa da experiência com outros amigos e amigas no ministério, que não sou o único a se sentir assim. Não é incomum o pastor ou a pastora se sentirem isolados e desagastados.

Resta sempre a pergunta: quem pastoreará o(a) pastor(a)?

Em alguns meios eclesiásticos existem juntas, diretorias, presbitérios, sínodos, etc., e pensa-se (erroneamente!) que estas instituições irão pastorear os pastores. Não há nada mais errado que isso. Estas instituições geralmente são administrativas e não poimênicas (pastorais).

O que muitas pessoas talvez não vejam, é que a configuração do ministério na Bíblia passa por um ou mais dons que o Senhor distribui para os seus e então esses irão utilizar estes dons a serviço de Deus para edificação do corpo de Cristo.

Aí é que está o segredo: o pastoreamento do(a) pastor(a) não se dá em terceirizar o serviço ou mesmo em se pensar nas instituições administrativas, mas deve se dar pela própria igreja.

O(a) pastor(a) deve ser cuidado pela igreja. Deve ser pastoreado pela igreja, pois é nela que ele está desenvolvendo o seu ministério. É lá, nesse lugar-pessoa que ele se entrega, que ele se dá, que ele utiliza os seus dons (dados por Deus) para abençoar pessoas, aconselhar outros, repreender alguns, insistir sempre com todos.

Esse corpo é que deve continuar a cuidar de todo o corpo, portanto, deve também incluir aí o pastoreamento dos seus pastores.

Honrar o(a) pastor(a) com sua companhia lhe fará muito bem. Cuidar dele com suporte, seja material, espiritual ou mesmo emocional fará uma diferença muito grande na vida e ministério dele. Orar por ele fará dele um homem ou uma mulher mais próxima de Deus e mais quebrantado(a).

No final, somente o grande pastor (Jesus) é que manterá tudo com o seu poder, presença e vontade, mas devemos nos suportar uns aos outros (pastores cuidam da igreja que cuidam dos seus pastores).

Como tem sido sua experiência com pastor(a)?
Como tem sido sua experiência como igreja? Deixe um comentário abaixo.

Gedeon Lidório

Deixe um comentário

avatar